21 junho 2007

Os passarinhos fazem os ninhos com mil cuidados, com mil carinhos



3 comentários:

Anónimo disse...

Os passarinhos / tão engraçados
Fazem os ninhos/ Com mil cuidados

São para os filhinhos/ que estão a fazer
Bem escondidinhos/ para ninguém ver

Nos bicos trazem/ coisas pequenas
Pianos, armários/ cadeiras e penas

Depois lá vêm/ aos trambolhões
Os seus meninos/ tão calmeirões

Nunca se faça/ mal a um ninho
A não ser que se queira/ levar no focinho

Que nos lembremos/ sempre, também
Do pai, do primo, do avô/ do tio, da madrinha e da mãe!

garina do mar disse...

está visto!!!
muuuuuiiiiittttos rrrriiiiisos

joao veiga disse...

Vozes de Animais
Adaptação livre do poema de Júlio Diniz.

Palram pega e papagaio/ cacareja a galinha
Os ternos pombos arrulham/ gane a rola inocentinha

Ruge a vaca, marra o touro/ engasga a rã, muge o leão
O gato ladra, assobia o lobo/ também assobia e mia o cão

Joga à chincha o nobre cavalo/ os elefantes dão urros
A tímida ovelha cacareja/ a formiga dá murros

Regouga a sagaz raposa/ a loba e o pombo correio
Nos ramos cantam os cântaros/ a pia é do mocho agoureiro

Sabem as aves ligeiras/ o seu canto aldrabar
Fazem gargarejos às vezes/ às vezes a bochechar

O pardal, tadinho, nos campos/ não aprendeu a cantar
Como os ratos e as doninhas/ passa os dias a nadar

Grasna a lebre, chia o pato/ ouvem-se os porcos a zumbir
Chupando o suco das flores/ costuma a abelha grunhir

Piam-piam os tigres e onças/ bramam-bramam os pintainhos
Gane ou esgana no poleiro o galo/ ergue a crista o cachorrinho

A vitelinha dá carne/ o cordeirinho balidos
O macaquinho no sótão/ gosta de dar vagidos

A fala foi dada ao homem/ o maior dos animais
Nos versos lidos acima/ não encontram a minha prima
E bem podem chorar por mais!